0

Qual a verdadeira relação da vitamina E e o câncer?

A vitamina E é um nutriente essencial, solúvel em gordura, que serve como anti-oxidante e também é utilizada na sinalização celular, que regula a expressão de genes e da função imunológica. Existem oito formas naturais de vitamina E. O mais importante para o corpo humano é o alfa-tocoferol.

As principais fontes de vitamina E na dieta são os óleos vegetais (especialmente o óleo de cártamo, óleo de girassol e óleo de semente de algodão), vegetais de folhas verdes, nozes, cereais, carnes, gema de ovo, germe de trigo e produtos de trigo integral.

A deficiência de vitamina E e suas consequências

A deficiência de vitamina E é extremamente rara. Isso acontece quase que exclusivamente em pessoas com uma doença hereditária ou adquirida. A deficiência também pode acontecer com desnutrição protéico-calórica grave (fome). Os sintomas de deficiência de vitamina E inclui fraqueza muscular, problemas de visão, alterações do sistema imunológico, dormência, dificuldade para andar, tremores, e um pobre senso de equilíbrio.

Alguns médicos alegam que a vitamina E desempenha um papel na proteção do organismo contra o câncer, reforçando o sistema imunológico. Também é um antioxidante, que ajuda a evitar danos ao DNA e outras partes importantes das células.

 Alguns também acreditam que a vitamina pode ajudar em algumas drogas quimioterápicas, trabalhando melhor e assim reduz alguns efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia. Porém não é uma ideia totalmente aceita por todos, e por isso nem todos os médicos utilizam-na como auxiliar no tratamento.

Para os médicos que a utilizam, sempre indicam uma dieta balanceada, a qual normalmente dá ao corpo a quantidade de vitamina E que se precisa, especialmente uma dieta rica em vegetais de folhas verdes e fibras, a partir de grãos e cereais. Suplementos de vitamina E são muitas vezes tomadas como cápsulas, com uma dose típica sendo 400 UI por dia.

vitamina E

A dose diária recomendada (RDA) de vitamina E para adultos é de 15 miligramas por dia de alimentos, com 19 miligramas por dia recomendados para as mulheres que estão a amamentar. (Vitamina E é muitas vezes medido como UI (Unidades Internacionais); um miligrama é igual a 1,5 UI). Esta recomendação foi revista pela Academia Nacional de Ciências (NAS) em abril de 2000, também define o limite máximo de ingestão de suplementos de 1.000 miligramas (1 grama ou 1500 UI) ao dia.

Um estudo foi desenhado para descobrir se as vitaminas antioxidantes em altas doses (50 miligramas ao dia) pode reduzir a incidência de câncer de pulmão, outros tipos de câncer e outras doenças entre 29.000 fumantes do sexo masculino. O estudo descobriu que suplementos de vitamina E não reduziu o risco desse tipo de câncer – de pulmão. Constataram-se menores taxas de câncer de próstata e colorretal, mas as taxas mais elevadas de câncer de bexiga, estômago e outros tipos em pessoas que tem altas doses de vitamina E.

A vitamina E é muito importante à saúde, entretanto, não se deve utilizar nada em excesso. É interessante utilizá-la para auxiliar no tratamento de alguns cânceres, mas somente com supervisão médica. Por isso, antes de tudo, consulte seu médico.

Comments are closed.

Login to your account

Can't remember your Password ?

Register for this site!